Programa de uma filosofia da repetição segundo Kierkegaard, Nietzsche e Péguy 13






descargar 1.41 Mb.
títuloPrograma de uma filosofia da repetição segundo Kierkegaard, Nietzsche e Péguy 13
página1/99
fecha de publicación29.05.2015
tamaño1.41 Mb.
tipoPrograma
e.exam-10.com > Derecho > Programa
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   99



Gilles Deleuze

DIFERENÇA E REPETIÇÃO

Tradução

Luiz Orlandi

Roberto Machado

SUMÁRIO


SUMÁRIO 2

GLOSSÁRIO DA TRADUÇÃO 6

PRÓLOGO 7

INTRODUÇÃO 10

REPETIÇÃO E DIFERENÇA 10

Repetição e generalidade: primeira distinção, do ponto de vista das condutas 10

As duas ordens da generalidade: semelhança e igualdade 10

Segunda distinção, do ponto de vista da lei 11

Repetição, lei da natureza e lei moral 12

Programa de uma filosofia da repetição segundo Kierkegaard, Nietzsche e Péguy 13

O verdadeiro movimento, o teatro e a representação 16

Repetição e generalidade: terceira distinção, do ponto de vista do conceito 19

A compreensão do conceito e o fenômeno do "bloqueio" 19

Os três casos de "bloqueio natural" e a repetição: conceitos nominais, conceitos da natureza, conceitos da liberdade 19

A repetição não se explica pela identidade do conceito; nem mesmo por uma condição apenas negativa 22

As funções do "instinto de morte": a repetição em sua relação com a diferença e como sendo aquilo que exige um princípio positivo. (Exemplo dos conceitos da liberdade) 23

As duas repetições: por identidade do conceito e condição negativa, por diferença e excesso na Idéia. (Exemplos dos conceitos naturais e nominais) 26

O nu e o travestido na repetição 29

Diferença conceitual e diferença sem conceito 31

Mas o conceito da diferença (Idéia) não se reduz a uma diferença conceitual, assim como a essência positiva da repetição não se reduz a uma diferença sem conceito 32

Capítulo I 34

A DIFERENÇA EM SI MESMA 34

A diferença e o fundo obscuro 34

É preciso representar a diferença? os quatro aspectos da representação (quádrupla raiz) 35

o momento feliz, a diferença, o grande e o pequeno 35

Diferença conceitual: a maior e a melhor 36

A lógica da diferença segundo Aristóteles e a confusão do conceito da diferença com a diferença conceitual 37

Diferença específica e diferença genérica 37

Os quatro aspectos ou a subordinação da diferença: identidade do conceito, analogia do juízo, oposição dos predicados, semelhança do percebido 38

A diferença e a representação orgânica 39

Univocidade e diferença 40

Os dois tipos de distribuição 41

Impossibilidade de reconciliar a univocidade e a analogia 42

Os momentos do unívoco: Duns Scot, Espinosa, Nietzsche 44

A repetição no eterno retorno define a univocidade do ser 45

A diferença e a representação orgíaca (o infinitamente grande e o infinitamente pequeno) 46

O fundamento como razão 47

Lógica e ontologia da diferença segundo Hegel: a contradição 48

Lógica e ontologia da diferença segundo Leibniz: a vice-dicção (continuidade e indiscerníveis) 50

De como a representação orgíaca ou infinita da diferença não escapa aos quatro aspectos precedentes 52

A diferença, a afirmação e a negação 53

A ilusão do negativo 55

A eliminação do negativo e o eterno retorno 57

Lógica e ontologia da diferença segundo Platão 61

As figuras do método da divisão: os pretendentes, a prova-fundamento, as questões-problemas, o (não)-ser e o estatuto do negativo 61

O que é decisivo no problema da diferença: o simulacro, a resistência do simulacro 66

Capítulo II 70

A REPETIÇÃO PARA SI MESMA 70

A repetição: alguma coisa mudou 70

Primeira síntese do tempo: o presente vivo 70

Habitus, síntese passiva, contração, contemplação 72

O problema do hábito 73

Segunda síntese do tempo: o passado puro 78

A Memória, o passado puro e a representação dos presentes 79

Os quatro paradoxos do passado 79

A repetição no hábito e na memória 80

Repetição material e espiritual 82

Cogito cartesiano e cogito kantiano 83

O indeterminado, a determinação, o determinável 83

O Eu rachado, o eu passivo e a forma vazia do tempo 84

insuficiência da memória: a terceira síntese do tempo 86

Forma, ordem, conjunto e série do tempo 86

A repetição na terceira síntese: sua condição por deficiência, seu agente de metamorfose, seu caráter incondicionado 87

O trágico e o cômico, a história, a fé, do ponto de vista da repetição no eterno retorno 89

A repetição e o inconsciente: "Para além do princípio de prazer" 91

A primeira síntese e a ligação: Habitus 92

Segunda síntese: os objetos virtuais e o passado 94

Eros e Mnemósina 97

Repetição, deslocamento e disfarce: a diferença 98

Conseqüências para a natureza do inconsciente: inconsciente serial, diferencial e questionante [180 tr.] 100

Em direção à terceira síntese ou ao terceiro "para além": o eu narcísico, o instinto de morte e a forma vazia do tempo 103

Instinto de morte, oposição e repetição material 104

Instinto de morte e repetição no eterno retorno 105

Semelhança e diferença 109

Que é um sistema? 110

O precursor sombrio e o "diferenciante" 110

O sistema literário 112

O fantasma ou simulacro e as três figuras do idêntico em relação à diferença 115

A verdadeira motivação do platonismo está no problema do simulacro 117

Simulacro e repetição no eterno retorno 118

Capítulo III 120

A IMAGEM DO PENSAMENTO 120

O problema dos pressupostos em Filosofia 120

Primeiro postulado: o princípio da Cogitatio natura universalis 121

Segundo postulado: o ideal do senso comum 123

O pensamento e a doxa 123

Terceiro postulado: o modelo da recognição 124

Ambigüidade da Crítica kantiana 126

Quarto postulado: o elemento da representação 127

Teoria diferencial das faculdades 128

O uso discordante das faculdades: violência e limite de cada uma 129

Ambigüidade do platonismo 131

Pensar: sua gênese no pensamento 132

Quinto postulado: o "negativo" do erro 136

Problema da besteira 138

Sexto postulado: o privilégio da designação 140

Sentido e proposição 141

Os paradoxos do sentido 141

Sentido e problema 143

Sétimo postulado: a modalidade das soluções 144

A ilusão das soluções na doutrina da verdade 145

Importância ontológica e epistemológica da categoria de problema 147

Oitavo postulado: o resultado do saber 149

Que significa "aprender"? 150

Recapitulação dos postulados como obstáculos para uma filosofia da diferença e da repetição 151

Capítulo IV 152

SÍNTESE IDEAL DA DIFERENÇA 152

A Idéia como instância problemática 152

Indeterminado, determinável e determinação: a diferença 153

A diferencial 154

A quantitabilidade e o princípio de determinabilidade 154

A qualitabilidade e o princípio de determinação recíproca 155

A potencialidade e o princípio de determinação completa (a forma serial) 157

Inutilidade do infinitamente pequeno no cálculo diferencial 158

Diferencial e problemático 161

Teoria dos problemas: dialética e ciência 161

As estruturas: seus critérios, os tipos de Idéias 164

Procedimento da vice-dicção: o singular e o regular, o relevante e o ordinário 168

A Idéia e a teoria diferencial das faculdades 170

Problema e questão 173

Os imperativos e o jogo 175

A Idéia e a repetição 177

A repetição, o relevante e o ordinário 178

A ilusão do negativo 179

Diferença, negação e oposição 180

Gênese do negativo 182

Idéia e virtualidade 184

A realidade do virtual: ens omni modo... 184

Diferençação e diferenciação; as duas metades do objeto 185

Os dois aspectos de cada metade 185

A distinção do virtual e do possível 186

O inconsciente diferencial; o distinto-obscuro 188

A diferenciação como processo de atualização da Idéia 189

Os dinamismos ou dramas 191

Universalidade da dramatização 193

A noção complexa de diferenç/ciação 194

Capítulo V 196

SÍNTESE ASSIMÉTRICA DO SENSÍVEL 196

A diferença e o diverso 196

Diferença e intensidade 197

A anulação da diferença 197

Bom senso e senso comum 198

A diferença e o paradoxo 200

Intensidade, qualidade, extensão: a ilusão da anulação 201

A profundidade ou spatium 202

Primeira característica da intensidade: o desigual em si 205

Papel do desigual no número 206

Segunda característica: afirmar a diferença 206

A ilusão do negativo 207

O ser do sensível 209

Terceira característica: a implicação 209

Diferença de natureza e diferença de grau 210

A energia e o eterno retorno 212

A repetição no eterno retorno não é qualitativa nem extensiva, mas intensiva 213

Papel da individuação na atualização da Idéia 217

Individuação e diferenciação 217

A individuação é intensiva 218

Diferença individual e diferença individuante 219

"Perplicação", "implicação", "explicação" 222

Evolução dos sistemas 224

Os centros de envolvimento 225

Fatores individuantes, Eu [Je] e Eu [Moi] 226

Natureza e função de outrem nos sistemas psíquicos 228

CONCLUSÃO 231

DIFERENÇA E REPETIÇÃO 231

Crítica da representação 231

Inutilidade da alternativa finito-infinito 232

Identidade, semelhança, oposição e analogia: como elas traem a diferença (as quatro ilusões) , 233

Mas como elas também traem a repetição 237

O fundamento como razão: seus três sentidos 239

Do fundamento ao sem-fundo 241

individuações impessoais e singularidades pré-individuais 243

O simulacro 244

Teoria das Idéias e dos problemas 245

Outrem 247

Os dois tipos de jogo: suas características 248

Crítica das categorias 250

A repetição, o idêntico e o negativo 251

As duas repetições 252

Patologia e arte, estereotipia e refrão: a arte como lugar de coexistência de todas as repetições 254

Em direção a uma terceira repetição, ontológica 256

A forma do tempo e as três repetições 258

Força seletiva da terceira: o eterno retorno e Nietzsche (os simulacros) 260

O que não retorna 261

Os três sentidos do Mesmo: a ontologia, a ilusão e o erro 263

Analogia do ser e representação, univocidade do ser e repetição 265


  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   99

Añadir el documento a tu blog o sitio web

similar:

Programa de uma filosofia da repetição segundo Kierkegaard, Nietzsche e Péguy 13 iconPrograma o esquema proposto é uma tentativa de sistematização, podendo...

Programa de uma filosofia da repetição segundo Kierkegaard, Nietzsche e Péguy 13 iconPara uma re-significaçÃo da didática ciências da educaçÃO, pedagogia...

Programa de uma filosofia da repetição segundo Kierkegaard, Nietzsche e Péguy 13 iconComentarios acerca del segundo curso de bachillerato en relación...

Programa de uma filosofia da repetição segundo Kierkegaard, Nietzsche e Péguy 13 iconFilosofía Presocrática Filosofía Griega Clásica Filosofía Medieval

Programa de uma filosofia da repetição segundo Kierkegaard, Nietzsche e Péguy 13 iconPrograma general de filosofíA 9°

Programa de uma filosofia da repetição segundo Kierkegaard, Nietzsche e Péguy 13 icon1. Programa: Filosofía de la Educación I / 3

Programa de uma filosofia da repetição segundo Kierkegaard, Nietzsche e Péguy 13 iconPrograma general de filosofíA 11°

Programa de uma filosofia da repetição segundo Kierkegaard, Nietzsche e Péguy 13 iconNietzsche entre la estética y la política”

Programa de uma filosofia da repetição segundo Kierkegaard, Nietzsche e Péguy 13 iconMirada oblicua a Nietzsche a través de Derrida

Programa de uma filosofia da repetição segundo Kierkegaard, Nietzsche e Péguy 13 iconRaus mit Nietzsche! En elaboración 2015-11-05 9,41h




Economía


© 2015
contactos
e.exam-10.com